terça-feira, 18 de maio de 2010

Do outono ao seu lado


("Meu amor, venha ouvir Beatles comigo!")
Espero que neste dia, eu esteja livre e possamos caminhar pela calçada de folhas secas e conversarmos sobre as nossas escolhas.
Mas, não deixe de vir, para que nossos corações nos fale de como ainda nos amamos e como seremos felizes, mesmo tão distantes.
Meu amor, esqueça o tempo, somos jovens, temos tempo, e venha ouvir Beatles comigo. Será delicioso dividir a mesma xícara de café, o mesmo gosto, a mesma fúria depois de tanto tempo longe, depois de tanta saudade acumulada. Depois de tantas misérias vividas.
Venha, mesmo que por poucas horas, para que tenhamos lembranças depois. Para que eu possa lhe escrever uma carta e você responder num cartão postal, seja de onde for.
Ah, meu amor! Venha ouvir aquela linda melodia que tanto me escorre dos olhos, que tanto me obriga a pensar em você tão longe, tão ausente. Venha, antes que esse tarde que tantos falam, realmente chegue para nós e nossos nós não sejam mais possíveis em laços de fitas coloridas. Venha, para que dos teus olhos eu roube mais uma chance, mais uma dúvida, para que de sua boca, mais um beijo, e de suas mãos mais um toque, e de seus braços, mais uma palavra roubada e escondida.
Venha, meu amor, que te espero vestida com aquela canção mais doce, mais farta, com os panos mais leves e mais curtos, para que em mim percas o motivo, a cabeça, o juízo.
Ah, meu amor, venha ouvir Beatles comigo, aolha-me em teu braço mais firme e vamos juntos celebrar esta tarde que cai tão bonita e azul sobre nossas cabeças. Sejamos por um instante livres, limpos. E gozemos de qualquer coisa que de fato desejamos, porque precisamos ser despudorados, meu amor! Venha, que te cabe aqui, no colo, nas coxas, nas mãos, nos olhos, no peito. Vem que te recebo intacta, com o mesmo sabor de cereja de antes. Com o mesmo cigarro de sempre, com a mesma mordida no canto da boca, de sempre!
Venha, proponha-se a este desfrute de um outono tão grandioso, tão falante, tão. Disponha-se a mim, nem que só por este instante.
("meu amor, espero-te mais m pouco, depois durmo e fico tão triste, caso não chegue.")
M.

2 comentários:

  1. Texto cheio de emoção... A dor da distância e a delícia do reencontro em palavras carregadas de sentimento...

    Parabéns!

    ResponderExcluir

Atente-se para o Indizível: