quarta-feira, 28 de abril de 2010

Do convite

" Venha para o chá,mas, não se demore em me observar. Nos meus olhos existem abismos, que não sei se quero compartilhar.
Venha, acomode-se na poltrona, acenda um cigarro se quiser, mas, não preste atenção em minhas falas, elas estão febrís e obsoletas, talvez porque não sei exatamente o que quero ou preciso dizer.
Demore-se no sabor dessa mistura, sinta o aroma que vem de encontro com meu perfume, mas, por favor, não se arrisque em perfurar a minha pele, feridas ainda abertas lutam pela cicatriz.
Venha tomar este chá comigo. Mas tente manter certa distância. A aproximação pode ser vilenta e não quero machucar um delicado momento como este.
Venha, por favor, para que eu não morra com meus gestos e delírios, mas, antes de apreciar, verifique a temperatura. Quente demais. talvez para um conforto maior.
Beba, delicie, vislumbre. Mas, por favor, tenha calma.
a minha pressa anda atrasada. e não quero que isso mude.

7 comentários:

  1. Prefiro café....estou esperando seu e-mail!

    ResponderExcluir
  2. Olá .. me chamo Elis, e achei teu blog numa dessas minhas "caminhadas online" por blogs, hehehehe!
    Gostei daqui!
    Sigo lendo!
    Abraço
    Elis

    ResponderExcluir
  3. Bom convite.
    Já está nos aceitos de dentro.

    Um carinho, Mell.
    Continuemos...

    ResponderExcluir
  4. "nos meus olhos existem abismos..."



    também fico com o Café.

    ResponderExcluir
  5. Olá querida...
    Obrigada pelo carinho.
    Adorei aqui, seu en-cantinho.
    Um bjo meu!
    :o)

    ResponderExcluir
  6. Eu andei atarefada com a faculdade... alguns problemas.
    Estava chegando em casa tão exausta de tudo, que nem pude aparecer lá no Reino.

    Tinha momentos do dia que batia uma saudade.

    Daí quando chego encontro todos esses comentários...

    você como sempre intensa nas palavras e encantadora :)
    Obrigada por sempre estar por lá.

    Faz tão bem sua visita!

    ResponderExcluir

Atente-se para o Indizível: